sexta-feira, janeiro 08, 2016

CADA MINUTO QUE PASSA....






Cada minuto dura uma eternidade quando não há o que fazer.
Cada minuto demora um século ou um nano-segundo a percorrer
este caminho entre mim e o infinito.
Cada minuto arrasta-se sem dó nem piedade pela vida.
Cada minuto passa por mim a uma velocidade estúpida
de tão lenta! Com a dureza áspera do granito.

Cada minuto é um sopro de vento. Um milénio.
Cada minuto sabe a perda num ir e vir homogéneo
e é gélido sopro perpassando a doer.
Cada minuto é mais um passo neste meu caminho,
só mais uma prece que se entoa baixo de mansinho.
Cada minuto é só mais um minuto a morrer.

Cada minuto é uma tempestade sem igual que arrasa
tudo por onde passa sem se ater. É fogo que abrasa
é mágoa sofrida. É dor arrancada do peito a esmorecer.




1 comentário:

Helena Medeiros Helena disse...

Cada minuto pode ser tudo isto... E pode não ser nada! Depende de como se encontra o estado de espírito no momento. Mas a ser tudo isto, fizeste uma bela construção literária.

FORMAS NO IMPONDERÁVEL

Imagem retirada da net Há formas na inconstância do informe, do disforme, do que amarro, com nós górdios, em silêncios gritant...