sábado, agosto 11, 2007

EXIGENCIA - URGENCIA - SOLIDÃO

No rumor leve da brisa matinal

acordam os sentidos,

todos os passos perdidos,

acossados como um animal.

Acorda o medo, a solidão está presente,

a dor, o desespero, a infelicidade,

e é apenas por maldade

que a brisa me beija docemente.





Há no ar um cheiro doloroso,

feito bagas de insegurança,

feito desejos, e perseverança

feito panico pavoroso.

Na breve aragem fria,

cortante, dolorosa, e exigente

palpita um coração paciente

numa alma em agonia.


2 comentários:

Lu@r disse...

Um coração paciente é um coração presente.

Será que o tempo o desgasta?

Beijo

Lu@r disse...

O teu beijo fez-me renascer,
abri os olhos para a vida.

Beijo profundo